O PESCADOR E A SEREIA
Clarice Magalhães. Composta por Tuninho Galante e Marceu Vieira.
Finalizada
O pescador e a Sereia (Tuninho Galante e Marceu Vieira) Entregou-se à Iemanjá no vai-e-vem da maré. Numa cama de marola se deitou de boa fé. Era linda a iabá disfarçada de mulher. Seu perfume embriagava como flor de bem-me-quer. Ela se pôs a cantar, a chamá-lo num balé, e levou pescador para o fundo do mar... do mar... do mar... (Odoiá!) Diz que a alma do pescador hoje vaga sob o luar, que sofreu maldição de amor. Reza a lenda que então virou prisioneiro de Iemanjá. A viúva do pescador leva a vida a se lamentar. E na beira do mar ela implora à Iara: - Devolve o meu amor...